music


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Não tema...

Olá

A verdade é que sempre buscamos voltar a zona de conforto. A minha ? Emagrecer.

As ultimas semanas tem sido estranhamente familiares, dores de estomago, cigarros atras de cigarros, cortes e um incomodo sentimento de desassossego.Que só tem passa com o controle sobre o que me apavora, meu corpo.
Não pertencer à lugar algum é coisa diária. Falhar é inevitável.

Aceito minha responsabilidade diante da situação. Esqueço que a vida não é amigável, mas sim esmagadora.

Ser magra é bom, ter controle, uma meta a ser cumprida. Nada, nada agora pode substituir o sentimento que alcanço.

Ódio próprio alimenta uma obsessão vazia pela perfeição, nunca obtê-la pois não existe e suas promessas são vazias. E o vazio está presente e me faz companhia o tempo todo.

Das coisas que desejo o universo me nega, agarrei com ferocidade o que posso.

Não é uma boa semana ou mês...

Beijjs

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Cotidiano

Porque a vida  para as outras pessoas parece tão fácil? Como elas conseguem ?

Tudo na minha vida tem uns 3 obstáculos a serem ultrapassados.

Será que a resposta é rezar? Começar a crer em um Deus que concede desejos? 

Não ter controle sobre a minha vida é horrível,isso dá brechas para o Transtorno Alimentar, pro cutting etc. Eu só quero arrumar um emprego, ter meu canto, me formar e ser capaz de ajudar os outros. 

Não preciso de muito. Não quero muito. Não to pedindo nem pra ser feliz...


As madrugadas voltam a ser longas,
as manhãs vazias.
Meus devaneios, unica companhia que tenho,
tornam o silencio eloquente.
 Encontrarão-me estática no tempo? 
Um leve rabisco de mim mesma? 
Os dias parecem funerais.
Em uma infinita despedida, da possibilidade. 


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Hoje...

Ola

Hoje depois de muito tempo senti minha pele coçar em um desejo incontrolável de me cortar.
Essa semana senti aquele vazio inigualável ao me acordar.
O estomago parece doente, em uma náusea sem fim.

E eu disse, NÃO!

Disse não, porem esse não. Não era auto controle era só a dura convicção de que não vale a pena, que não importa o quanto eu faça, não há sangue suficiente em mim mesma para fazer com que esse descontamento se vá. Meu corpo será o mesmo somente com mais marcas.

Pois amanhã acordarei com o mesmo vazio e com um mesmo enjoo. Talvez até mesmo com a mesma vontade de me auto mutilar... A verdade é conviverei com isso pra sempre. E nada irá mudar o fato de que para mim, existir é tarefa árdua, quase impossível.

Segue a vida. Segue o tempo. Segue os fantasmas.